sábado, 15 de fevereiro de 2014

Alta taxa de rejeição...

Dos 133 convocados até hoje, restam apenas 72 servidores em exercício na Controladoria Geral do Estado de Pernambuco, o que corresponde a uma evasão de 45,8%, em 4 anos. Além disso, para realizar o curso de formação, que está em andamento (2ª etapa do concurso de 2011, ainda), o governo do Estado teve que convocar 171 candidatos para preencher 90 vagas, o que significa uma taxa de rejeição de 47,65%. Ainda não sabemos quantos desses candidatos irão entrar em exercício, quando nomeados.
Fato é que o Governo do Estado precisa valorizar o servidor de Controle Interno do Estado, do contrário não haverá continuidade e bom êxito no combate à corrupção, na transparência e no controle social do Poder Executivo.
“Apesar de o país viver um momento em que o seu povo cansou de assistir aos desmandos da administração pública e resolveu ir às ruas gritar por controle, transparência e combate à corrupção, o Governo do Estado de Pernambuco continua remando contra essa maré, na medida em que “preserva” uma vacância atual de 60% na área fim da Secretaria da Controladoria Geral do Estado (SCGE), órgão que, por natureza, deveria representar o carro chefe do Governo Estadual frente a essa necessidade social.” (http://www.ascipe.com/2013/12/quinta-feira-19-de-dezembro-de-2013.html)

Um comentário:

  1. Como bom gestor brasileiro, Eduardo Campos preza mais pela arrecadação, para bancar seu "Modelo" de Gestão, do que pelo controle. Sua propaganda é forte mas as ações são fracas.

    ResponderExcluir